A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
17 agosto 2015

O pulo do gato dos Terrible Twos!

Postado por: Rafa Manfroi

Se você digitar no Google vai ver um monte de coisas muito parecidas sobre os “Teríveis dois anos”. Aqui, porém, quero falar sobre o que acredito ser a grande e inteligente sacada para que nós, papais e mamães, consigamos passar por essa fase (que sim, é cheia de desafios, não vou negar) respeitando as necessidades dos nossos pequenos e preservando nossa sanidade mental!! Tá rindo é? Então espera pra ver!!! Kkkkkk!!!

Primeiro precisamos entender:

O que significa o Terrible   Two?

Chamada de “Adolescência do bebê”, essa é uma fase em que a criança passa a se comportar de modo opositor, ou seja, tudo o que os pais pedem que ela faça ou toda regra estabelecida por eles, até mesmo de uma rotina normal, ela se opõe a fazer: Tomar banho, escovar os dentes, sentar à mesa para comer, sentar na cadeirinha do carro, dormir no berço, parecem decretar guerra!! Uma criança que até então era tranquila, fácil de lidar e obediente, passa a se irritar facilmente apresentando comportamentos como se jogar no chão, se bater ou bater em quem estiver por perto e vira a “criança do contra”.

terrible twos 1

Mas por que tudo isso acontece exatamente nessa fase?

No primeiro ano de vida da criança a sua identidade está “grudada” na identidade da sua mãe. É como se elas fossem uma só pessoa, com sentimentos e vontades únicas. Por isso, inclusive, é tão difícil para o bebê se separar da mãe nessa fase, seja por alguns minutos ou por muitas horas. De repente, por volta dos dois anos, a criança se descobre como um ser único e separado da sua mãe, com suas próprias vontades e opiniões, tendo necessidade de tomar suas próprias decisões. Porém, essa criança que está num salto de desenvolvimento físico e cerebral, continua imatura emocionalmente e ao mesmo tempo em que quer escolher e decidir, acaba por muitas vezes discordando dela mesma. Por exemplo: Fala que quer ir à casa da vovó e quando entram no carro à caminho de lá, ela chora dizendo que queria ficar em casa. Nessa hora você pensa: “Meu Deus, mas foi ELA quem escolheu ir”. Nessa fase, também, a criança aprendeu a andar e começa a desbravar o mundo, o SEU mundo que é a sua casa. Abre gavetas, tira tudo que tem dentro, quer brincar com as decorações da casa e muitas vezes se coloca em risco mexendo onde não deve. Eu nem preciso dizer que essa autonomia toda deixa as mamães irritadas, impacientes e com uma palavra na ponta da língua: NÃO!!!!!! Não mexa ai, não pegue isso, não desobedeça, não bagunce, não, não e não!! A criança passa a escutar tantos nãos que adivinhem???? Ela TAMBÉM começa a dizer não pra tudo. Quando mamãe ou papai chamam pra tomar banho ou fazer qualquer outra coisa, a resposta dela vai ser: NÃO!! #DicaDaRafa: Isso é o que eu acredito ser o principal motivo pelo comportamento opositor. A criança na verdade passa a reproduzir para os pais o que escuta deles o tempo todo.

E afinal, qual é o pulo do gato?        

É comprovado cientificamente que o cérebro do ser humano não reconhece o não. Se eu te disser: “Não pense numa maça vermelha”, você vai pensar. A grande sacada é: Quando a criança fizer algo errado pegando coisas proibidas ou perigosas ou fizer tristezas como bater, brigar ou empurrar, os pais devem evitar orientações negativas como: “Não bata, não brigue, não mexa” e preferir palavras e orientações positivas como: “Deixe o creme da mamãe aqui, brinque com seus amiguinhos, se divirta com seus coleguinhas, seja gentil” e assim por diante. Dessa forma, evitando os nãos, a criança recebe uma orientação de virtude, ou seja, que ressalta questões positivas, saudáveis e de vida!

Posso afirmar que essa conduta fará toda a diferença nessa fase “terrível”, que na verdade é nada mais nada menos do que uma fase em que os pais compreendem muito pouco as necessidades dos seus pequenos e os tratam como se fossem adultos inconsequentes e impulsivos. A propósito, quem são mesmo os terríveis da historia?

Fecho esse texto desejando paciência, muita paciência e compreensão da parte dos pais terríveis para seus filhos, entendendo que esta fase passa e que quanto mais as crianças forem compreendidas e amadas, acolhidas nas suas necessidades emocionais, psicológicas e físicas, mais elas serão tranquilas e obedientes.

Aqui em baixo, o link da matéria que gravei para o programa Instinto Materno sobre “Terrible twos”. Só clicar!!

Beijos no coração e boa semana!!

Rafa Manfroi.

Rafaella Manfroi é Psicóloga clínica e escolar, especialista em casais e família, consultora familiar, palestrante e autora do Blog Vamos Educar.

Gostei

Deixe um comentário:

Comentários

  1. Lucilene disse:

    Aff….esta fase é Terrível msm, estamos vivenciando os contras desta fase tdos os dias c nosso Enzo lindo…Mas percebo q realmente a paciência é a solução.
    Mas é difícil para tdos…realmente dividir c a escola, q pensamos q era uma total solução, ñ é e ñ foi, é apenas um complemento.
    Vejo q sempre é bom a gente ouvir e aprender, e saber q sempre tem a uma solução, e que mtas tbém estão na luta.
    Adorei o “sim” mamãe.
    Vamos praticar!
    Bjo Rafa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo