A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
24 abril 2013

Mamãe, posso dormir na sua cama?

Postado por: Rafa Manfroi

6114-06603601

Quem nunca escutou um pedido dengoso e totalmente pretensioso, se convidando para passar a noite no seu quarto? E mais, quem nunca se sentiu desmoronando de amor nesse momento e se rendeu aos encantos do pequeno (ou não tão pequeno assim)?

Existem vários momentos onde é super saudável e gostoso dormir agarradinho aos filhos. Sabe aqueles dias em que o cônjuge viaja e sua cama fica sobrando espaço? Sabe aquele fim de semana em que a família resolve fazer uma noite de cinema no quarto do casal e resolve dormir todo mundo por ali mesmo? Ou aquele dia de um dodói mais sério, que exige cuidados durante a noite toda e o quarto do seu filho não tem cama auxiliar? Pois é, estas são situações esporádicas, porém, quando elas se tornam rotina o hábito se instala e o filho já não consegue mais dormir longe dos pais. É ai que o sonho pode se tornar pesadelo!!

O que era pra ser uma noite diferente e gostosa acaba se tornando um problema!!

No meu trabalho clinico e escolar é muito comum orientar pais com filhos de diversas idades, alguns já saindo da infância, que dormem na cama ou no quarto dos pais e normalmente são crianças que apresentam sintomas de insegurança, medos e falta de autonomia. Atenção!! Não estou afirmando que crianças que dormem com os pais serão inevitavelmente inseguras, mas pela minha experiência clinica, eu posso  afirmar que estes sintomas são muito comuns neste caso.

A criança pode não conseguir fazer sozinha coisas simples do dia a dia como ir ao banheiro ou buscar um copo d´água na cozinha, nem brincar livremente numa festa infantil sem a presença dos pais. Não se arriscam em aventuras e podem ter um medo constante de serem abandonados ou esquecidos.

Aquele desejo de proteção e amor que fez com que os pais abrissem o espaço que era DELES para o filho entrar, acaba resultando em um sintoma totalmente inesperado: insegurança!! Mas… Como assim? Como uma motivação tão boa, tão pura e amorosa pode resultar em algo negativo? Pois é,vocês já ouviram falar que algumas vezes amamos de mais? Aquele amor que sufoca, que faz pelo outro e que tira a oportunidade da criança crescer, aprender, vencer seus próprios desafios, expulsar seus próprios fantasmas?

Escolhemos não vê-los chorar nem sofrer e acabamos criando uma dificuldade muito maior do que a frustração de ouvir um não do papai e da mamãe.

O casal perde sua intimidade não só sexual, mas também a proximidade que normalmente acontece no quarto, no fim do dia, no quentinho da cama, momento de passar o dia à limpo e de compartilhar carinho e comunicação. Isso quando o casal não acaba dividindo sua intimidade sexual com a criança, na crença de que ela está dormindo e não vai ver nada, esquecendo que sexo tem cheiro e que até isso pode servir de estímulo para uma sexualidade precoce na vida desta criança.

Ruim também é perceber que muitos casais já permitem os filhos no quarto porque o casamento não vai bem, a sexualidade praticamente não existe e desta forma acaba-se adiando uma conversa, um acerto ou uma separação. Muito perigoso!! A criança, que é emocionalmente imatura e frágil, acaba se sentindo responsável pela relação dos pais. E isso nem precisa ser dito, basta ser vivido.

Em outras situações vejo, por exemplo, os meninos autoritários, sem limites, mandões, tentando assumir na vida o lugar que ele assume na cama da mamãe: o do homem da casa! Como é difícil mudar o comportamento de uma criança que recebe todo esse "aval" dos pais. Os pais fazem vários discursos sobre a importância de cada um dormir no seu quarto e na sua cama, mostram que ele já não é mais bebê pra tal comportamento, mas na hora de bancarem, de se mostrarem firmes e seguros na decisão de levarem a criança para o quarto dela, se desencorajam abrindo mão de sua autoridade e perdendo, assim, a credibilidade e a confiança.

Muitas vezes, o medo da criança tem fundamento e pode ser decorrente de um acontecimento real, porém, neste caso, precisamos entender a diferença de acolhê-la e encorajá-la x acolhê-la e amedrontá-la.

Se quiser prevenir, coloque seu bebê desde pequeno no seu próprio quarto. Assim que ele entrar numa boa rotina de sono na madrugada, os motivos para dormir ao lado da cama do papai e da mamãe acabaram!!

Se você reconhece que passou dos limites deixando seu filho permanecer por meses ou até anos no lugar que é seu ou seu e do seu cônjuge e quer resolver isso de uma vez por todas, aqui vão algumas dicas! Elas não são fáceis mas podem não ser tão difíceis assim e te garanto, valem a pena:

– Os pais podem se revezar nesta tarefa, já que acordar de madrugada, com sono e cansado não é tarefa fácil pra ninguém.

– Conversem com o filho de vocês sobre como ele está crescendo e se tornando forte, como ele é corajoso no futebol ou como já está uma linda bailarina fazendo passos difíceis, que não combina mais dormir no quarto do papai e da mamãe, como fazem os bebês,

– Diga, então, que ele passará a dormir no seu próprio quarto, mas que vocês estarão com ele até ele pegar no sono e que terá uma luz de abajur ou no corredor pra que ele se sinta mais seguro, caso precise levantar.

– Combine um horário para dormirem e vá preparando a casa e propiciando este momento: faça a higiene, apague as luzes, desligue a TV, conte uma história, faça uma oração. Crie essa rotina de historinha e oração todos os dias, é muito boa e funciona muito bem!!

– Vale dormir com um ursinho ou uma coberta "cheirinho".

– Para a transição é necessário que os pais estejam numa rotina estável, sem viagens marcadas, visitas de familiares ou alguém doente e o processo deve acontecer com tranqüilidade e em partes. Nos primeiros dias os pais deitam na cama com a criança até que ela pegue no sono. Depois, permanecem sentados ao lado da cama e por fim vão se afastando até chegarem na porta . Desta forma a criança vai se encorajando e se acostumando a essa nova realidade.

– Os pais precisam ser firmes e não ceder às chantagens e mãnhas que possam aparecer. Ahh e como aparecem!!! Cada vez que a criança levantar ou aparecer ao lado da cama dos pais, ela deve ser paciente e firmemente colocada de volta à sua cama, quantas vezes forem necessárias. Em alguns dias ela estará adaptada ao seu cantinho e se sentirá muito vitoriosa por esta grande conquista!!

Nossos filhos precisam sentir-se fortes, corajosos e valentes neles mesmos, na sua determinação e força de vontade. Claro que nós, pais, somos peças chave impulsionando-os e incentivando-os a isso mas a oportunidade de sentir vitória por uma dificuldade vencida não deverá jamais ser retirada de um filho!!

Espero que tenham gostado do post! Qualquer duvida especifica escrevam aqui ou por e-mail que eu prometo responder a todos!!

O bom é que aqui, nós nunca estamos sozinhos não é mesmo?

Beijos a todos e que Deus abençoe cada cama, cada casal e cada filho!! kk!!

Vamos educar??

Rafa.

 

Gostei

Deixe um comentário:

Comentários

  1. ADÉLY DELFES disse:

    Oi Rafa, encontrei teu blog e estou amando, estou passando por um problema com meu filhote de 7 anos, ele tem muito medo do escuro e medo de ficar sozinho, sou separada desde a gravidez hoje tenho um namorado mas nos vemos só nos finais de semana e por isso o Pedro dorme comigo, quando muito raramente meu namorado dorme na minha casa o pedro vai p cama dele mas me chama por varias vezes durante a noite, lendo essa tua matéria percebi o grande erro que estou cometendo, mas bem na semana passada descobri alguns fatos que andaram acontecendo na escola e na tata que cuida dele, descobri que tem algumas crianças que andam machucando ele, batendo nele, e ele é um menino dócil, calmo, mas está tendo algumas reações violentas inclusive a ponto de se morder, já fui na escola e falei com a tata dele que não é mais, minha mãe vai ficar com ele, e já procurei uma psicologa p levar ele, e me parece que na tata que cuidava dele colocava ele de castigo em um banheiro trancado sozinho…sim tortura psicologica!!! quase morri quando descobri isso, chorei muito, me culpei muito, mas não tenho condições financeiras de pagar uma escola integral preciso de alguém p cuidar dele p que eu possa trabalhar. Mas agora fico pensando, tenho que colocar ele dormir na cama e no quarto dele e encorajá-lo mais, por favor me ajuda, me da uma dica, estou de coração partido pelo que aconteceu, hoje ele já está melhorzinho, minha mãe está ficando com ele, e na escola as coisas estão melhorando. Por favor me ajuda!!! E obrigada pelas dicas maravilhosas do blog. Um forte abraço. =(

  2. Rafa Manfroi disse:

    Lucy, é só um exemplo!! Sei que existem meninos que dançam e meninas excelentes de bola!!Se este for o caso, precisamos apenas adaptar a orientacao!! Beijos querida e grata por sua contribuicao!!Ps? Desculpe pelos erros, nao estou conseguindo acentuar!!

  3. Lucy disse:

    “Conversem com o filho de vocês sobre como ele está crescendo e se tornando forte, como ele é corajoso no futebol ou como já está uma linda bailarina fazendo passos difíceis”… Uma dica: Cuidado com atribuições que reforçam os estereótipos de gênero, “coisa de menino e coisa de menina”, precisamos desconstruir isso e não reforçar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo