A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
23 agosto 2016

Esqueça os livros e seja protagonista da sua história!

Postado por: Rafa Manfroi

Algumas mães amam hidratar o corpinho do bebê. Outras, com receio de possíveis alergias, preferem deixar os creminhos para mais tarde.

A Nutricionista da vizinha recomendou que a introdução alimentar de sua bebê começasse  aos 5 meses com papinha  de frutas, mas na T.V, uma renomada especialista indicou que o primeiro alimento fosse introduzido apenas aos 6 meses e com uma papa de arroz.

Banho de banheira ou no balde? Musica para dormir ou silêncio absoluto? Quarto normal ou estilo Montessoriano? Berço ao lado da cama dos pais ou em quartinho próprio? Pomada ou maisena?

Os livros, as revistas e a internet estão recheados de teorias, teses e manuais com instruções do que fazer com o bebê recém-nascido e também de como educar a criança. Nós, mães, principalmente as de primeira viagem, nos perdemos com tanta informação e nos tornamos cada dia mais ansiosas e inseguras na busca pelo melhor caminho.

Como mãe de segunda viagem, muito mais madura e experiente do que há 7 anos e também com a bagagem de mais de 12 anos acompanhando famílias, me sinto segura em afirmar que cada teoria nos traz pontos positivos e negativos. Sim, os livros me ajudaram e ainda me ajudam muito e se forem  fielmente seguidos nos trarão resultados significativos seja na alimentação, no sono ou no comportamento, mas a questão principal é: Será que precisamos mesmo de tantos livros? Tantas teorias? De tanta gente nos dizendo o que fazer e o que jamais fazer?

Quando nascemos mãe, Deus faz nascer em nós uma habilidade incrível de sentir e entender o que é melhor para o NOSSO FILHO. Sim, porque nem tudo que funciona com outras crianças e outras famílias vai funcionar com a nossa também.

Esqueça os livros

Eu amo livros e tenho uma pilha deles. Pesquiso constantemente, aprendo demais e recomendo que leiam, porque sofremos muito menos quando temos conhecimento por qualquer tema, mas eles não estão a cima do meu coração, da minha percepção, no meu “sexto sentido”.

O que de mais útil eu aprendi com os livros, por exemplo, foi criar uma rotina de alimentação e sono para as minhas meninas e vejo claramente os benefícios dessa prática, mas confesso que o que de mais valoroso aprendi (e isso quase não existe em livros, com raras exceções) foi aprender a VER minhas filhas, ENXERGÁ-LAS, ler seus sentimentos e decifrar seus comportamentos.

De tudo, acredito que compreendê-las e respeitá-las é a melhor receita!

Se seu filho não para de chorar e você sente que deveria trazê-lo para sua cama, TRAGA! Só não o deixe ali para sempre, porque ali não é o seu lugar. Você saberá o momento de tirá-lo. Mas você pode se perguntar: “E se ele ficar mal acostumado e nunca mais quiser sair?” Ai eu te respondo: “Novamente você entrará em ação, mostrando com amor e paciência que o tempo dele ali acabou e que ele possui autonomia suficiente para estar em seu próprio quarto”.

Percebeu? Você pode e deve ser protagonista da sua história e da sua família!! As escolhas são suas e as consequências também.

Por isso… Feche os livros e vá viver!!

Beijos no coração,                                                                                      

Rafa.

Rafa Manfroi é Psicóloga clínica e escolar, especialista em casais e familia. Trabalha com Educação ha mais de 12 anos e é autora do Blog Vamos Educar.  

 

Gostei

Deixe um comentário:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo