A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
04 fevereiro 2016

E agora? Escola ou babá?

Postado por: Rafa Manfroi

Muitas mães, voltando da licença maternidade ou simplesmente precisando (ou querendo) mais tempo livre para si, me perguntam o que é melhor para a criança: Ficar em casa com uma babá ou irem para a escolinha?

Bom, eu já vou dizendo que como em tantas outras situações na educação de filhos, não existe receita, não existe UMA COISA MELHOR, mas sim aquilo que é melhor para a SUA FAMILIA e também para ESSE MOMENTO.

cercado-para-bebe2

Toda escolha tem seus prós e contras e a decisão precisa ser baseada num conjunto de coisas que te farão sentir (sim, porque eu ainda acho que o coração acaba sendo o árbitro) o que funcionaria melhor par a sua família: você, marido, filhos.

Vamos falar um pouco com base na teoria: A criança menor de dois anos não sente necessidade de socializar, ela ainda está bastante “colada” na mãe e nos abjetos afetivos dela. Sendo assim, se você tiver uma pessoa de confiança, com boas e seguras indicações, acredito que seja válido deixar a criança na sua própria casa, fazendo a soneca da tarde no seu berço, rodeada  pelos seus brinquedos e pelo lugar que é familiar e que traz segurança a ela.

Se você tem a pessoa de confiança para cuidar em casa, mas sua criança é maior de 2 anos, já mostra necessidades de interagir, socializar, brincar e tem ficado com energia sobrando, quem sabe a opção “escola” faria um bem maior a ela, já que seu ponto forte é justamente poder se relacionar e brincar.

Mas… se essa criança de 2 anos ainda dorme bastante a tarde e sua babá  está em casa para o momento em que ela acorda, talvez possa rever e deixar em casa.

O problema é se você, como eu, acaba trabalhando bastante em casa na companhia da criança. Elas normalmente querem nossa atenção e não nos deixam trabalhar. Sem contar que quando choram, reclamam ou mostram necessidade de algo, nosso coração de mãe não nos deixa ficar sentadas assistindo a isso sem entrar em ação.

043-Bebes-

Por isso é que digo que existem várias coisas em jogo que precisam ser vistas e revistas para se chegar a uma conclusão.

Na escola, os profissionais são capacitados e supervisionados para darem o melhor aos nossos filhos. Eles ensinam, estimulam e cuidam, mas a professora divide seu tempo e atenção com várias crianças.

Uma babá, se for de confiança e bom caráter, pode pegar bastante o seu filho no colo (que é uma necessidade da criança pequena), dar carinho e amor exclusivo e com bastante intensidade. Mas… Se ela não for essa Brastemp (e Brastemp custa mais caro e está praticamente em extinção) e decidir deixar seu filho chorando enquanto ela assiste t.v e “judie” de outras formas (como aconteceu com uma amiga minha aqui em Cascavel PR), talvez você nunca fique sabendo, a menos que coloque câmeras ou escutas, como ela fez. Mas os danos emocionais, esses talvez você não consiga reverter. Sério não é?

O que tenho certeza é que se o casal estiver seguro da sua decisão e tomar os cuidados devidos, a criança com certeza ficará bem também, porque a segurança dela vem dos pais.

Conversem juntos, pesem cada situação e tomem uma decisão baseada não naquilo que simplesmente acham melhor, mas que cabe na realidade do momento que sua família vive, lembrando que nenhuma decisão precisa ser pra vida toda e que errar faz parte da vida!!

Deus abençoe esses corações divididos!!kkk!!

Rafa Manfroi é psicóloga clínica e escolar, especialista em casais e família. Trabalha há mais de 10 anos com educação e é autora do Blog Vamos Educar.

 

 

Gostei

Deixe um comentário:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo