A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
16 outubro 2015

Disciplina positiva: Um caminho de equilibrio e respeito.

Postado por: Rafa Manfroi

Nos meus mais de 13 anos de profissão como psicóloga clínica e escolar, se tem um assunto que estudo e falo bastante é a DISCIPLINA. Vejo que os pais ficam um pouco confusos na hora de ensinar, corrigir e disciplinar. Eles acabam indo de um extremo com a disciplina permissiva, onde deixam seus filhos fazerem o que quiserem, sem muita rigidez ou regras e depois num outro extremo, onde se arrependem de terem sido tão permissivos e acabam por usarem a disciplina autoritária, que grita, agride e castiga.

Pensando nesses dois modelos de disciplina, podemos constatar que nenhuma delas funciona, de fato, principalmente a longo prazo, que é nosso maior interesse. O pai permissivo demais, que deixa a criança no comando, ele não entra em atrito com seu filho, o que parece, num certo momento, ser bom. Em contra partida, chega um momento que a criança está tão sem limites que ele precisa tomar as rédeas e quando o faz geralmente de uma forma agressiva, a criança não reconhece sua autoridade. É ai que ele percebe que não está funcionando de forma tão significativa.

Já o pai autoritário demais, tem um filho que provavelmente tem medo dele e que o obedece “teoricamente”, ou seja, faz o que o pai quer para não apanhar ou não ser agredido emocionalmente, mas não aprende valores nem princípio algum e passado algum tempo tem grandes chances de errar e desobedecer novamente. Pense que temos crianças confusas, porque ou recebem liberdade demais: “Sim meu filho, você pode comer assistindo tv, o papai deixa”, ou restrição em forma de agressividade: “Você nunca mais vai assistir tv enquanto come, seu folgado, relaxado, derrubou toda a comida no sofá”.

Mas se esses modelos não funcionam então qual o estilo ideal de disciplina? Ele existe? Sim, ele existe e se chama DISCIPLINA POSITIVA!!

disciplina positiva

Nela,  os pais ensinam e corrigem a criança sem humilhar, bater, gritar ou agredir. Os pais dão limites, colocam regras claras e justas, exercem sua autoridade, ficam no comando, mas entendem também as fases do desenvolvimento de cada criança, suas limitações e necessidades. Vamos dar um exemplo disso: Se uma criança está brincando e o pai chama pra tomar banho, é natural e esperado que ela não queira ir, ou reclame, porque a criança pequena tem dificuldades em lidar com frustrações e parar uma atividade tão prazerosa para fazer algo de menor interesse. O pai que conhece a disciplina positiva, pode dizer: “Filho, eu vou esperar você terminar esse desenho, ou então vou te dar mais 5 minutos e da próxima vez que eu te chamar você precisa vir”. Perceba que o pai exerceu sua autoridade, mas compreendeu as necessidades dessa criança e a tratou com respeito, dignidade.

Muitas vezes parece ser mais fácil bater a cada erro, gritar, ser autoritário, mas os pais não ganham respeito dos seus filhos nem estreitam seu relacionamento com eles, sem contar que acaba produzindo neles sentimentos de medo, insegurança, agressividade, ansiedade.

Quando falamos de educação de filhos, não podemos pensar até a página 3 sabe? Não falamos de hoje apenas, mas de um futuro, de uma vida, de um cidadão que criamos e educamos para o mundo. Se pensarmos que cada comportamento negativo do nosso filho pode ser um sinal de uma necessidade não atendida e até de uma forma não verbal de nos comunicar que alguma coisa não está bem, poderemos ser mais assertivos no nosso papel de pais que buscam não só ter filhos, mas educá-los, com amor, respeito e limites.

disciplina 2

Que tal tentarmos?

Beijos no coração, Com carinho,

Rafa Manfroi, Psicóloga clínica e escolar, especialista em casais e família e autora do Blog Vamos Educar.

Gostei

Deixe um comentário:

Comentários

  1. Rafa Manfroi disse:

    Prometo dar sim amiga!! Aguarde!! E obrigada amore, por estar sempre me apoiando!! Te amo!!

  2. Rafa Manfroi disse:

    Que bom Fran, fico feliz que tenha gostado e que compartilhe!! Super grata!! Beijos no coração!!

  3. Fran disse:

    Oi Rafa!
    Adorei o texto…vou compartilhar!
    Bjos
    Fran

  4. Thays disse:

    Muito bom e claro! Podia dar mais uns exemplos, né?!?! Hehehe… Bjos ❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo