A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
18 maio 2015

De primogênito a irmão mais velho…Vem ciúmes por ai!!

Postado por: Rafa Manfroi

                   De primogênito a irmão mais velho… Vem ciúmes por ai!!

Se tem uma fase difícil de lidar em casa é com o ciúmes do mais velho na gravidez ou nascimento do irmãozinho. Um quarto começa a ser preparado para essa nova criança, muitas coisas são compradas, a barriga que cresce e deixa a mamãe cada vez mais cansada e limitada. O colo fica pequeno e já começa a ser dividido com a barriga imensa que vai ganhando espaço. É uma fase de adaptação muito significativa pra essa criança, antes filho único, que tinha toda atenção exclusiva para si. Quando nasce, então, esse bebê toma um espaço ainda maior na casa e exige do papai e da mamãe muita atenção e tempo. As mamadas são demoradas, seguidas de arrotar, trocar a fralda e colocar pra dormir. Rotina que se repete durante o dia todo e muitas vezes na madrugada também. Sem contar que o choro do bebê pode irritar até os animais de estimação, imagina o filho mais velho, que muitas vezes precisa dormir no mesmo quarto do pequeno “intruso”. Essa adaptação não é só da criança, mas de toda a família que precisa se reorganizar com a chegada desse bebê, que apesar de ser uma grande bênção bagunça uma rotina que até então estava estável.

irmaos

Nesse momento é importante que os pais tenham muita paciência e sabedoria, para que esse período seja vivido sem maiores traumas ou dificuldades. Aqui, vivi alguns sintomas de ciúmes e tenho algumas dicas importantes pra dar:

– Tenha uma conversa com o primogênito, dizendo o quanto ele é importante e especial na vida de vocês. Mostrem que ele teve um papel super importante que foi o de ensiná-los a serem pai e mãe. Tudo que vocês sabem e que vão fazer com o bebê foi ele que os ensinou.

– Mostre fotos de quando ele nasceu e era bebê e contem uma historinha de tudo que fizeram com ele: dos banhos, das trocas de fralda, da amamentação e de todo tempo e cuidado que um dia ele também recebeu. Mostrem o quanto ele cresceu e como hoje, sendo maior, pode fazer coisas especiais com vocês como sair junto, jogar, brincar, ser parceiro. Coisas que bebês não podem fazer. Isso demonstra o ganho que existe em ser criança e não mais um bebê.

 – Deixem que ele participe das tarefas com o bebê e se ele estiver agitado de mais, sem noção da sua força, fazendo brincadeiras inconvenientes, peça que pegue coisas que estão longe, que faça um desenho e que venha contar a história pro mano. Isso gera vínculo dele com o bebê e diminui a competição.

– Elogiem constantemente características da sua personalidade, como: obediência, amizade, parceria, alegria. Elogios aumentam a auto-estima da criança fazendo com que ela queira ser cada vez melhor.

– Tenham um tempo exclusivo com o mais velho. Saiam juntos (enquanto um sai o outro cuida do bebê), joguem um jogo que ele goste, assistam um filminho, riam, saiam para tomar um sorvete. Pode ser 20 minutos, mas que seja exclusiva dele a sua atenção.

– Aproveitem parentes e amigos que possam ajudar nesse primeiro momento mais “crítico” de adaptação, o convidando para um passeio, ou uma noite fora de casa por exemplo.

– Quando ele se agitar e por ventura chorar, se jogar no chão, gritar, lembrem de tocá-lo, fazer um carinho e dizer que vocês estão percebendo que ele está precisando de mais atenção e que estão ali para ajudá-lo, que ele não precisa fazer tristeza para chamar a atenção de vocês.

É normal, nessa fase, a criança mais velha regredir querendo dormir na cama dos pais, voltar a mamar, usar a chupeta ou apresentar comportamentos agressivos, e “manhosos”. Isso tudo faz parte da dificuldade que ele tem, pela imaturidade emocional, de “dar conta” de tantas mudanças e do medo de perder seu território. A boa notícia é que tudo passa e que se agirmos com muito amor, paciência e sabedoria, a tendência é que passe logo e sem traumas!!

Deus abençoe essa família que cresceu e que agora está se reorganizando!!

Abraços carinhosos, Rafa Manfroi

Psicóloga Clinica e Escolar e autora do Blog Vamos Educar.

Gostei

Deixe um comentário:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo