A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
26 agosto 2015

As frustrações que a vida não economiza e como nossos filhos podem crescer com elas.

Postado por: Rafa Manfroi

Não tem nada que deixe o coração de um pai mais triste do que ver seu filho triste, decepcionado. Qualquer um de nós, com esse amor gigante que cultivamos, tentaria amenizar a dor de um filho. O problema é que nem sempre a alegria deles depende de nós e do nosso amor. Nós cuidamos, protegemos, poupamos muitas vezes, mas (graças a Deus por isso), vêm as situações da vida que fazem com que eles experimentem sentimentos “negativos” como a dor, a frustração, a decepção e a tristeza.

frustração
A boa notícia para os pais corujas é que momentos difíceis são grandes oportunidades de aprendizados, para nós e para eles. O que parece ser ruim, porque vem acompanhado de choro e sofrimento, pode ser a chance de crescer, amadurecer emocionalmente, descobrir a força que se tem guardada dentro de si e mais do que isso, ter seu caráter lapidado. Isso não é um presente? Claro que é, sem dúvida nenhuma. O que acontece é que nós insistimos em acreditar que podemos aprender a viver e ser fortes através somente da alegria, enquanto, na realidade, é no sofrimento e na dor que o ser humano mais cresce, evolui e encontra esperança. É inclusive na dor que passamos a reconhecer a presença e o amor de Deus, desde cedo. Por que não?

É diante das frustrações que nossos filhos construirão mecanismos internos para lidarem com conflitos, perdas e negações que, diga-se de passagem, a vida não economiza. Uma pena, na verdade, porque acredito que poderíamos viver muito mais de cooperação do que de competição. E isso produz uma habilidade incrível de superação, que na sombra e água fresca a gente infelizmente não aprende.

frustação 2
Você já deve ter ouvido falar que só descobrimos que somos fortes quando precisamos lutar e é beeeem assim mesmo. Uma vez fui fazer um curso de terapia corporal e a psicóloga que estava conduzindo me colocou para lutar (exatamente isso, lutar) com a minha melhor amiga. Nós precisávamos usar toda nossa força para ganhar a luta. Eu me surpreendi com a minha postura e com a minha atitude. Eu NÃO CONSEGUI LUTAR!! Fiquei com medo de me machucar, medo de ganhar da pessoa que eu amava, medo de machucá-la ou de parecer melhor do que ela, medo de não saber usar a minha força… medo, insegurança, bunda mole!! O resultado: perdi!! Perdi e parei pra pensar e sentir quem eu estava sendo diante das dificuldades que a vida me apresentava. Era com aquela força que eu esperava vencer meus medos, minhas barreiras, minhas dificuldades? E a educação que tive dos meus pais, de proteção e cuidado extremo, de pais que sempre me pouparam de andar a pé, de cozinhar, de lavar minha própria roupa na adolescência e juventude, enfim, de lutar, será que favoreceram essa postura? Não quero culpar meus pais, mas hoje, na posição de mãe e responsável por duas vidas, vejo que as crianças precisam e muito sofrer a dor do crescimento, que mais tarde as impulsionará a vencerem!!

frustração 3
Uma criança que aprende a perder, que tem a oportunidade de viver a vitória do outro e a sua própria derrota, mesmo que as regras não tenham sido as mais justas, será um adulto que terá maiores chances de aprender a perceber mais o outro e respeitá-lo, convivendo de forma muito mais saudável em sociedade.
Quando seu filho passar por um momento assim, aproveite para ensiná-lo sobre valores e princípios como: ser justo, honesto, saber esperar, ser maduro para compreender um resultado difícil, ter autocontrole e amor próprio. Converse com ele perguntando como ele se sentiu perdendo, o que ele aprende com isso, o que muda na sua vida com essa derrota, o que não muda, o que ele pode fazer diferente da próxima vez, se é que a atitude dele pode mudar alguma coisa e de resto, o acolha porque isso talvez seja o que ele mais precisará nesse momento.

Vamos Educar?

Beijos no coração, com carinho, Rafa.

Rafa Manfroi, psicóloga clínica e escolar, especialista em casais e família e autora do Blog Vamos Educar.

Gostei

Deixe um comentário:

Comentários

  1. leize disse:

    Ótimo texto!!!

  2. viviane disse:

    Parabéns Rafa! Seus textos são incríveis!!!

  3. Thays disse:

    Muito bom, Rafa!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo