A maternidade com suas dores e delícias
imprimir
18 março 2015

A Cama compartilhada pode ser algo prático e maravilhoso, mas não pra todos!

Postado por: Rafa Manfroi

                                                                             Cama Compartilhada

Fui convidada a falar na TV sobre “Cama Compartilhada”, um tema super polêmico no meio das mamães. Vejo  que normalmente elas de dividem nas que defendem com unhas e dentes essa prática chamada “criação com apego” e as outras , que caem matando as primeiras, sendo totalmente contra. Eu não estou aqui pra levantar bandeira, defender uma idéia e muito menos pra convencer alguém a aceitar ou não, pelo contrário, pretendo proporcionar um momento de reflexão, a fim de que cada família possa escolher o que for melhor para si.

Acredito que a Cama Compartilhada pode ser super prática e facilitar a vida de muitos pais, mas acredito também que ela pode ser um problema para outros. Definitivamente ela não parece ser  para todos!!!

cama compartilhada 2

Pensem comigo; uma criança que acorda várias vezes de madrugada para mamar, uma mãe que levanta, muda de quarto, amamenta e volta pro seu quarto. Talvez nem durma mais com toda essa função, repetidas vezes. Parece prático dormir ao lado do bebê, aconchegá-lo no peito e os dois continuarem dormindo, por ali mesmo. Muitas vezes o bebê nem precisa de leite, mas do cheiro da mãe, da sua presença. Só que esse bebê cresce, começa a se mexer, bater com as mãos e os pés na sua cara e pra mim isso não parece engraçado nem convidativo! Eu tenho sono leve, acordo com qualquer barulhinho e detesto que encoste em mim enquanto eu durmo. Aliás, dormir de conchinha foi algo que nunca aconteceu comigo, nem na lua de mel!! Dormir significa a meu ver desgrudar, apagar as luzes, me livrar de todos os barulhos e ter privacidade!!

cama compartilhadaEsse bercinho, que é colocado entre os pais, parece ser uma ótima opção pra não sufocar o bebê e pra não levar mãozadas e pezadas durante a noite!! Gostei!!

Quando tivemos a Gabriella, eu não me permiti dormir com ela. Morria de receio de que ela não voltasse para o berço dela nunca mais e se tornasse dependente de mim mais do que um bebê já é normalmente!! Kkkk! Depois amadureci e descobri que nada precisa ser para sempre. Podemos experimentar e então DECIDIR fazer ou não e por quanto tempo fazer! Com a minha caçulinha foi diferente, experimentei a delícia de tê-la por 2 mêses na minha cama, amamentá-la ali mesmo, há qualquer hora, dormir com a teta de fora pingando leite, acordar de madrugada e dar de cara com aquele rostinho mais lindo do mundo!! Sentir aquele cheirinho de bebê que coisa melhor não tem!! Foi uma experiência incrível e me conectou com ela de uma forma maravilhosa! Mas… não era bom o tempo todo! Eu tinha medo de derrubá-la, acordava toda doida por ter ficado mal ajeitada e não descansava, tinha um sono tenso. Sem falar que quando vou dormir, tenho aquela sensação maravilhosa de dever cumprido, de que fiz tudo que deveria fazer e que agora tenho um tempo que é meu! Posso ler, posso responder mensagens, posso conversar com meu marido situações que não falamos durante o dia! Foi ai que quando a Carolina fez 2 meses, meu marido decidiu por nós dois (graças a Deus por isso) que ela não precisava mais dormir conosco e que poderíamos inclusive ajudá-la a diminuir as mamadas. Foi exatamente nessa mesma época que ela passou a dormir a noite toda e mamar apenas de manhã!! Ufa!! Descanso para ela e descanso para nós!

Vocês já pensaram como ficaria seu sono se vocês acordassem 3 ou 4 vezes para comer na madrugada? Teriam uma noite mal dormida e um dia super cansativo, improdutivo e cheio de irritabilidade. Chego à conclusão que a cama compartilhada pode ser a salvação nos primeiros meses do bebê, mas não precisa durar tanto tempo, não existe uma necessidade aparente pra que isso aconteça se o bebê for saudável.

Acompanho diversas famílias que têm seus filhos dormindo no quarto do casal. Crianças com 7, 10, 12 anos! Eles já saíram do útero há muito tempo gente! São muitas vezes pré-adolescentes cheios de atividades, responsabilidades escolares e continuam na barra da saia da mãe. Permanecem ali no quarto dos pais não simplesmente porque é legal, mas porque se sentem inseguros fora dali. Se a criança for de personalidade reservada, tímida, insegura, o fato de permanecer no quarto dos pais pode contribuir de forma bastante negativa pra que essa insegurança aumente.

Vejo crianças que não andam sozinhas pela casa a noite, não vão ao banheiro, não buscam água na cozinha se não estiverem na companhia da mãe ou do pai. A culpa disso é a cama compartilhada? NÃO!! Mas quando pergunto a esses pais onde essa criança dorme, a resposta é quase sempre: na nossa cama!! Não estou dizendo que dormir com os pais traz insegurança para a criança, mas acredito que possa, sim, deixá-la mais dependente emocionalmente dos pais, numa fase em que ela já poderia estar mais autônoma, mais crescidinha. Numa fase em que a escola já cobra autonomia, já manda tarefas, já coloca regras que pra serem cumpridas, necessitam que a criança tenha responsabilidades.

A matéria você pode conferir neste link: https://www.youtube.com/watch?v=qz_evwA67P0

Pra finalizar este tema que eu poderia falar por dois dias sem parar, é importante lembrar que não dormir com os filhos não diminui em nada o vínculo de amor e afeto que você tem com eles. Familias funcionam de formas diferentes! Não é nem certo nem errado, nem melhor nem pior, apenas diferente!! Sejam vocês! Escutem seus corações e decidam juntos!! No mais…tudo passa!!

Abraços, Rafa. 

Gostei

Deixe um comentário:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

topo